O suicídio contido

Repasso o ensaio de George Steiner Uma leitura dissidente de Shakespeare, de Nenhuma Paixão Desperdiçada (Record, 2001). “Ich mag es nicht” (não gosto), Steiner cita Wittgenstein sobre o Rei Lear e outras passagens da obra do Bardo, a quem, como quer o professor Harold Bloom, devemos atribuir nossa própria humanidade literária. Tolstói, igualmente, não era […]

Leia mais O suicídio contido

Tempo morto para o compositor

Carmem Miranda gravou Tempo Perdido, de Ataulfo Alves (1909-1969), depois de reencontrar o compositor mineiro — a quem já conhecia como prático de farmácia — no escritório de Mr. Evans, diretor da RCA Victor, no Rio de Janeiro. Corria o ano de 1933. A história é contada no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. […]

Leia mais Tempo morto para o compositor

Silêncio, por favor

[Coluna da Inclusive.com número 6, julho_2017.] No começo era o Verbo e a linguagem. O fim parece ter fotos, vídeos, emoticons e kkks comungados com automatismo a roçar o simiesco. O título é verso de um samba de Paulinho da Viola (Para Ver as Meninas), com o qual abro e vou fechar esta coluna. Pois “hoje eu […]

Leia mais Silêncio, por favor

Confissões de um comedor de séries

[Coluna da revista Inclusive.com número 5, junho_2017.]   Não vou relatar uma saga alucinógena. Menos para o bem que para o mal, não tenho nada de singular a revelar nesse terreno. Era apenas uma criança mineira do interior quando a turma se enlameava em Woodstock como quem surfava num mar laranja ao som de Hendrix. Mas me […]

Leia mais Confissões de um comedor de séries

Humanos estão podendo

Como “diz” o cachorro da NET, “meus” humanos estão podendo. A publicidade da operadora, digo de passagem, não me parece obra humana. Mas o tema da coluna não é o mundo cão da propaganda. É a ciência, ou o ideal que alguns homens de ciência superdotados fazem da vida. Ali por volta de 2030, anuncia-se, […]

Leia mais Humanos estão podendo

Zambujo, grande intérprete de Chico

[Este texto tem correções e atualizações feitas na manhã de 10/05/2017]   É de outubro 2016 o álbum do português António Zambujo com a obra de Chico Buarque. Chama-se graciosa e inteligentemente Até pensei que fosse minha. É o que mais podemos esperar de um intérprete. Quase ninguém sabe disso, da existência desse CD, como […]

Leia mais Zambujo, grande intérprete de Chico