Um memorial de Pedro Leopoldo e um berro do boi morto

Estive ontem em Pedro Leopoldo, cidade onde vivi a era do janelão aberto para o mundo. Assim defino a travessia dos 17 aos 25 anos por aí. Envelhecemos e tal janelão vai se fechar até virar fresta e vitral opaco, antes da escuridão.

Revi amigos queridos, familiares e autografei o “Moral das Horas” (Manduruvá Edições Especiais). Falei a um seleto auditório sobre a minha Pedro Leopoldo, uma cidade que, hoje, como a Itabira de CDA, é um retrato na parede. Mas como dói! Dói, mas ainda é minha aldeia, onde corre o ribeirão que não é menos belo que o ribeirão que se derrama no Tejo.

Dediquei o lançamento — promovido pela produtora Le Petit Poete, do bravo Caetano Vasconcelos — à memória de Pedro Nava, que suicidou há 30 anos na noite passada, com um tiro na têmpora, em uma praça do bairro da Glória, no Rio de Janeiro.

Também falei do “Meu Boi Morreu – Cantos de Primavera”, livro inédito¹ que cedo ou tarde sairá. Debalde, seus originais já percorreram o circuitão editorial do Eixo Rio-Sumpa. Não será, portanto, o conglomerado Penguin-Companhia das Letras a publicá-lo. Em PL, pude ler um trechinho:

Quem a mascarada enorme que me arrastava pela mão à ilha-mesa no meio do asfalto? Ana Grande, Anão? Tentava, debalde, descobrir, mas ouvia apenas hãhãs. Lembro que na mesinha da Ouro Branco figuravam Dom Pintarroxo, Tibanha e sua irmã professorinha, Perpéia, de quem num instante eu recompunha os contornos a que tivera acesso em outro Carnaval. Livro-me das sereias que me cantavam amarrando-me ao rabo do Boi e deparo a audiência no alpendre da elegante dama Efigênia Mutamba, baronesa de Matozinhos, ao lado de filhas e genros, distinta platéia assentada em suas cadeiras ovais com assento tecidas em nylon verde-bexiga. Avanço rumo à margem contrária, onde vislumbro uma nesga do Quelesmão com o bocal da fronha ensopado de birita mas já me encontro preso a outro cordão, à porta do Açougue do Expedicionário A Chã de Dentro; e sou levado por quem? Marta Gorda, só pode, que me conduz de viés ao claro aberto pelo Boi, nessa altura ferocíssimo, salteando generoso ao repartir marradas, investindo contra toda sorte de alma de vaca inepta para perceber a natureza do que se passava naquele noite, em confrontar o milagre dionisíaco que se operava em Primavera naquele ato derradeiro. Bem feito.

Meu boi morto berrou ontem à noite em Pedro Leopoldo, Vivinho da Silva.

Impecável noite friorenta. Agradeço muitíssimo ao Caetano e às pessoas que estiveram no simpático auditório da Câmara Municipal.

(¹) “Meu Boi Morreu – Cantos de Primavera” é memória ficcional, gênero no qual a massa da vida é (re)passada através do filtro fino da imaginação. Nele, conto um desfile mitológico do Boi da Manta, toda gala e glória de um Enterro do Boi, em que os episódios são modulados por relatos sobre personagens do lugar. Também é, a um tempo, uma despedida do Carnaval, da adolescência e da própria cidade.

 

Atualizado na manhã solar de quinta-feira, 15 de maio de 2014.

 

Anúncios

Um comentário sobre “Um memorial de Pedro Leopoldo e um berro do boi morto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s