Céu de Sevilha, não senhor

Céu de Sevilha, não senhor,
Em azul, volume, fulgor.
O céu aqui é prófugo;

Há muito não pode
Com a imaginação sem
Queda para tais odes:

— Olvidado pelo destemor
Do olhar no chão celeste
Do plasma do computador;

— Trilha trivial da aviação,
Um inútil à nova era,
Mera ilusão da atmosfera;

— Nem espelho de mar e rio
Ou remordida de sol e raio
Contra a cor do minério;

— Abóboda macerada,
Bolorenta ideia selenita,
Relicário de escaparate!

 

[18 / "21 Poemas" - antonio siuves - 2015/2016]

Mark Rothko, Light, Eart and Blue, 1954
Mark Rothko, Light, Eart and Blue, 1954

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s