O diário da sexta

Nestas notas, PT, Lula, FHC, ler de verdade, meia madalena em BH
e o ritmo do jornal neste fim de semana

Diário da Sexta

RUMOS DO PT

“O PT fez uma aposta num certo capitalismo de Estado, de relações de intimidade excessiva de grandes empresas, governo e partido que evidentemente resultou num desastre”, diz o cientista político Sergio Fausto, na boa reportagem de Malu Delgado, no “Valor”, cujo título é “Que PT surgirá dos destroços?” (Este e outros links do “Valor” são para assinantes.)

ALTERNATIVAS

A matéria ouve outros tantos analistas da métrica eleitoral, incluindo o professor emérito da UFMG, Fábio Wanderley Reis. Em geral, apostam, como a parte majoritária do PT, que Lula tem força para vencer em 2018. Sem Lula, citam José Eduardo Cardozo, Fernando Haddad e Tarso Genro, da corrente minoritária Mensagem ao Partido, além de Jacques Wagner etc., como alternativas.

RUMOS DE LULA

Ao preverem um milagre, os doutores passam por cima da rejeição a Lula, que chegou ao topo do Everest no último DataFolha, 53%. E, ao que parece, dão como irrelevante as consequências para a imagem do partido —ainda muito longe de poder pensar em depurá-la— da ação criminosa reiterada em 13 anos no poder, além da real possibilidade de Lula ser preso.

QUAQUARAQUAQUÁ, QUEM RIU?

Fui eu. De Cardozo, tentando entrar para a posteridade: “Fica claro que o governo do PT e a presidente Dilma eram a mola propulsora do combate à corrupção”.

FHC 2, O LIVRO-1

Na mesma ótima edição do caderno “Eu & Fim de Semana, uma resenha muito bem feita por Luiz Gutemberg sobre o segundo volume do memorial do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (“Diários da Presidência – 1997-1998”, Companhia das Letras, 888 páginas, R$79,90).

FHC 2, O LIVRO-2

Gutemberg diz que FHC, em relação ao primeiro livro, não é o mesmo estadista deslumbrado com o poder, mas que se mostra assustado “com a percepção de que seu mandato é, constitucionalmente, finito”, ou seja, já está se falando da controversa vitória da reeleição. Mas está feliz com as “pompas e circunstâncias”.

FHC 2, O LIVRO-3

FHC é alguém “que celebra as viagens internas e externas, como a hospedagem no Palácio de Buckingham, na visita oficial Londres, que descreve minuciosamente. É proustiano na lembrança do grande jantar no Guildhall, com a realeza britânica —‘quase a impressão de Carnaval’— assim como reproduz prosaicas conversações que testemunha, sobre bebidas, entre a rainha Elisabeth e a princesa Margaret (1930-2002), que, ‘diga-se de passagem, bebe uísque sem parar’…, e registra um almoço no Buckingham com mestres de Oxford, como Eric Hobsbawm (1917-2012), ‘com aquela sua permanente simpatia’, e lorde Jenkins (1920-2003), que o presenteia com sua monumental biografia de Gladstone.”

QUEM LÊ PARA VALER

Ainda no “Valor”, muito interessante coluna de Tatiana Salem Levy, da qual retiro este trecho: “É verdade que nunca se leu tanto (nem que seja para utilizar instrumentos como mensagens de texto, WhatsApp e Facebook); no entanto, nunca se leu tão pouco. Quando falamos em leitura não se trata apenas de uma capacidade de reconhecer palavras escritas, mas sobretudo de interpretar, estabelecer diálogos, conexões. Sermos nós mesmos a web, a teia, a rede. Afinal, a literatura é justamente esse tecido que vai se compondo com linhas de vários tempos, uma colcha de retalhos sem fim.”

MEIA MADALENA

Quis botar o corpo em ordem esta manhã e fui caminhar até o centro. Pensava num café no Kahlúa. Ao baixar pela Bahia, entre Timbiras e Goitacazes, senti a emanação de um coquetel de frutas frescas, à porta dum mercadinho. Por um instante, senti que se abriria uma porta para o final dos anos 1960. Uma criança de mãos dadas com a mãe, os dois acabando de chegar do interior, o menino excitado pelo cheiro da vitamina de frutas nos copos de vidro e, à rua, pela banca de maçãs envoltas na seda azul. Tentei segurar aquela abertura e ampliar o quadro, até voltar alguns passos , mas já era.

A MADELEINE INTEIRA

Foi uma quase madalena. Como todo mundo sabe, a madeleine —o bolinho, confeito ou, como se diz em Minas, a quitanda que acompanha o chá— é uma figura proustiana, de seu grande romance “Em Busca do Tempo Perdido”, e significa justamente isso, a memória involuntária à qual alguém se agarra e, por aquela fresta, buscar reconstruir o tempo.

PARA VER AS MENINAS (O JORNAL NO FERIADÃO)

Este jornal, que tem sido atualizado diariamente há uns dois meses, diminui o ritmo neste feriadão. O autor, cuja jornada tem começado às 6 da matina, às vezes antes disso, tentará pôr a leitura em dia e controlar uma certa exaustão. Ultimamente, tem despertado com “Para Ver as Meninas” de Paulinho da Viola a rodar na cuca e cantarola a música enquanto prepara o café. Isso dever querer dizer alguma coisa.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s