“Grande Sertão: Veredas, 60 anos e mais

Reportagem lembra Criolo, o último remanescente
da expedição de Guimarães Rosa que compõe as origens de sua obra

Grande Sertão
Captura de imagem da TV Folha. Reprodução

 

A imprensa cultural no país, este jornal tem insistido, anda mal e não é de hoje. Mas nem tudo se equivale no fosso da decadência.

A Folha ao menos mantém algo da velha inquietação que marca a trajetória da Ilustrada nos últimos 30 anos ou mais um pouco.

Este jornal tem esculhambado o caderno muitas vezes, mas também elogiado quanto vê motivos para isso, como boas sugestões para notas.

Nesta quarta, a Ilustrada se junta às escassas celebrações dos 60 anos de “Grande Sertão: Veredas”, o genial romance de Guimarães Rosa.

José Marques assina a matéria sobre o empresário Francisco Guimarães Moreira Filho, que está com 81 anos é mais conhecido como Criolo.

No ano passado, Mariana Peixoto, do “Estado de Minas”, já havia rememorado sua história.

O homem é o último remanescente da famosa tropa que Rosa integrou em 1952, com sua cadernetinha atada ao pescoço para registrar o que via, ouvia e traduzia.

Esse material lhe ajudaria a escrever sua obra, em que o Sertão é convertido à perspectiva de quem se via plenamente capaz de retratá-lo com as ferramentas da alta literatura; de quem se sentia seguro de que sua criação iria figurar entre as referências da língua portuguesa e da literatura mundial.

Eis um pequeno trecho da reportagem, em laranja, seguido por uma passagem aleatória da obra:

“Criolo tinha 17 anos quando participou da travessia de dez dias do escritor pelo interior de Minas Gerais. A comitiva foi organizada pelo pai de Criolo, Chico Moreira, e saiu da fazenda Sirga, onde hoje é o município de Três Marias, para levar 180 cabeças de gado até a fazenda São Francisco, em Araçaí, a 240 km de distância.

Guimarães Rosa (1908-1967) era primo de Chico e foi junto para conhecer o dia a dia do sertanejo. Aprendeu a andar de cavalo, a tocar boiada e, quando voltou para casa, no Rio de Janeiro, levou um papagaio”.

Espero me animar a reler a obra este ano, na linda edição da Nova Fronteira, com a capa de tecido branco e título bordado com linha vermelha.

Rosa Nova FronteiraO “Grande Sertão” me lembra um livro sagrado,como um oráculo, você o abre ao acaso e se depara com uma passagem como esta, que vai à página 475:

“Bestiaga que ele me respondeu, e respondeu bem; e digo ao senhor:

— “Sertão não é maligno nem caridoso, mano oh mano!: —…ele tira ou dá, ou agrada ou amarga, ao senhor, conforme o senhor mesmo.”

 

 

 

Anúncios

Um comentário em ““Grande Sertão: Veredas, 60 anos e mais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s