Broadchurch, Hinterland e uma palavra sobre séries britânicas

Broadchurd
Os atores David Tennant e Olivia Colman, em “Broadchurch”. Foto: Divulgação

Os EUA são pioneiros no gênero e produzem ótimas séries de TV. O JS tem citado The Wire, Sopranos, Boardwalk Empire e a primeira temporada de True Detectives como exemplos de obras de excelência, com pretensões e realizações artísticas.

Mas, em geral, predomina na indústria americana do seriado televisivo o entretenimento rasteiro e fantasioso que pode ser visto sem percalços cognitivos por crianças e adolescentes de todas as idades, um público carente da mínima formação literária.

Com maior frequência, as séries britânicas que chegam ao Brasil parecem ter sido concebidas com alguma reverência à inteligência e à psique adultas.

Pode-se dizer que nelas a seleção de atores prima pela qualidade dramática e adequação aos personagens, em vez do franchising desfilante de caras jovens e bonitas, ainda que indiferenciadas, tão comum nos EUA.

Há roteiros bem elaborados, com densidade mental e direção de atores que persegue a empatia dos personagens com o público, na condução da trama — requisitos nos quais uma série badalada como a americana Vynil, da HBO, fracassa de maneira retumbante, apenas para dar um contraexemplo.

Além disso, há um show de locações nas séries britânicas, contra o excesso de interiores e cenas urbanas de suas congêneres do outro lado do Atlântico.

Esta nota se deterá em duas séries policiais, ou noir, a lembrar que para o JS a maior referência neste gênero é Wallander, filmada no sul da Suécia.

Broadchurch e Hinterland, disponíveis para assinantes da Globosat e Netflix, realizam competentemente o que está dito acima.

Os detetives que estrelam as duas series têm em comum, como notou o The Guardian homens e mulheres intensos, conflituosos e em busca de redenção, puxados ao noir escandinavo de Wallander. Ambas estão acima, por exemplo, da também britânica, mas afetada e vazia The Fall.

Hinterland, cuja terceira temporada deve ser exibida este ano, se passa no país de Gales e é originalmente bilíngue, com o título de Y Gwyll no idioma local

Os diálogos entre o detetive Mathias (Richard Harrington), seu chefe e subordinados, como a ótima Mared Rhys (Mali Harris), dentro e fora da delegacia de policia são duros, secos e agudos, quase a clamar, como trilha sonora, por José, esta beleza de canção de Caetano Veloso: “Estou no fundo do poço/ meu grito lixa o céu seco/ O tempo espicha mas ouço/ O eco/ Qual será o Egito que responde…”.

Os episódios transcorrem em uma paisagem desolada e friorenta com fazendas e pequenas vilas distantes entre si fincadas nos limites do oceano.

Mathias é torturado pelo infortúnio de um episódio que o afastou da família e opera à beira da depressão mais grave. A certa altura, seu grau de aflição é tal que o vemos jogar roleta-russa com três tentativas contra a sorte, ou a favor, já não sabemos.

Sua humanidade, como a dos oficiais e dos tipos metidos nos crimes investigados é retirada dos porões da alma, do abandono e da solidão dilacerante. Vivos e mortos dialogam sem parar e somos convidados as participar da conversa.

O AMÁLGAMA DE HINTERLAND

O temperamento do detetive Alec Hardy (David Tennant), de Broadchurch, é apenas ligeiramente mais solar que o de Mathias, e ele divide o primeiro plano com a um tanto reprimida Ellie Miller, interpretada pela excelente Olivia Colman.

Nas duas primeiras temporadas (o produto será continuado), quase toda a gente da minúscula Broadchurch, comunidade fictícia no litoral britânico, se envolve na história do assassinato de um menino com os embaraços e a carga emocional de uma peça de Nelson Rodrigues.

O meio atrapalhado e cardíaco detetive Hardy recruta a pesarosa Miller para ajudá-lo a desvendar o assassínio brutal, e, mais tarde, para resolver um duplo assassinato de uma cidade vizinha, de onde viera transferido para Broadchurch, depois de fracassar na primeira vez.

O mar, o porto e as lindas falésias que vemos a cada cena de Broadchurch, como os exteriores de Hinterland, são filmados com habilidade de modo a não se descolar da apreensão do telespectador, embalado pelo amálgama das emoções e a ambientação exuberante.

Ao terminar essas séries, como ocorrer no melhor do gênero, em vez da típica sensação de termos nossos cérebros esvaziados, sensação que os produtos televisivos em geral nos causa, e isso pode ter lá sua valia, saímos com lembranças, reflexões e insights. Isso provavelmente terá alguma coisa a ver com arte.

Hinterland
Richard Harrington e Mali Harris, de “Hinterland”. Foto: Divulgação

[Atualizado em 23/06/2016, às 08:19, com correções no texto.]

[Aos leitores: Jornal do Siúves roga ao visitante do blog que tenha considerado as informações desta página relevantes: manifeste-se por meio dos botões de compartilhamento ou na área de comentário. Qualquer alô, crítica ou avaliação serão sempre muito bem-vindos. Obrigado!]

Anúncios

2 comentários sobre “Broadchurch, Hinterland e uma palavra sobre séries britânicas

  1. Muito boa a reflexão! Das séries americanas gostei da “The Wire” que é retrato do que vivenciamos nas grandes metrópoles. Columbo também incluo nas minhas preferidas. Mas na Europa e Escandinávia temos as outras minhas preferidas: “Prime Suspect”, “Luther”, “Forbrydelsen”, Hinterland e a ótima Broen.
    Parabéns

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s