Cabeça de Boi e Cachoeira (poema)

Sugerido por meu compadre P. (mesmo sem o saber) para festejar duas de nossas excursões

Para Naná

Cabeça Cachoeira3

I

Desde horas homéricas e eras de Epicuro

(Que aí cristalizou um saber)

O mundo ou o tempo

Ou como se pense tal túrbida medula

(E.g.: como figurar o presente?)

Às vezes se põe entre uma clareira

(E.g.: quando nos ausentamos)

No contínuo de outros tantos (mosaico)

Parênteses onde nos guardamos

E que oxalá nos guardem da vida baldada

(Quase tudo simulacro marcado

Nos livros de haveres e deveres cujo saldo é sal).

 

II

Na ígnea clareira o ágape

A iluminar na terra redescoberta

(da qual tantas vezes regressamos refeitos)

O verdor, a nuvem, o regato

Que se funde melodioso à maquinaria

Do Tempo (meu e seu, sem antes e depois)

(       )

Que, no entanto, ali (ó instante), entre parêntese

Compartimos, a ponto de desacatá-Lo

A ponto de celebrá-Lo em (mitológica) rebeldia

A ponto de comê-Lo e de bebê-Lo entre nós

(Já que humanamente convertemos o vinho e o pão).

 

 

 

 


 

Leia também:

Vozes da fazenda  
Footing no Face
Olive Kitteridge
Fisterra (a menina dos olhos cega)
21 poemas
Poemas de Viagem

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s